Sintomas da desidratação: Como evitar esse problema?

7 de setembro de 2019Dicas de SaúdeSaúde

Sintomas da desidratação: Como evitar esse problema?

7 de setembro de 2019
Desidratação-Centro-Clínico-Sobradinho.jpg

Quando nosso corpo começa a perder mais líquido do que o ingerido, sentimos os sintomas da desidratação. Com isso, o organismo apresenta dificuldades em realizar algumas funções básicas.

Engana-se quem pensa que isso só acontece quando nos submetemos a atividades físicas intensas ou ficamos embaixo do sol quente. A perda de água é natural e decorre de consequências como o suor e a urina.

A medicina, ainda, classifica essa manifestação em três tipos. A isotônica decorre da diminuição de volume sanguíneo e sais minerais, que pode vir após um episódio de diarreia.

A hipertônica, que além da perda de água, tem aumento de sódio no corpo, e pode vir depois de uma febre. E, por fim, a hipotônica, que acontece pela eliminação grande de sal e tende a surgir por problemas renais ou pelo abuso de diuréticos.

Continue a leitura e saiba mais detalhes e sintomas da desidratação!

POR QUE BEBER ÁGUA É IMPORTANTE?

Somos constituídos de, aproximadamente, 60% de água. Todos os nossos órgãos precisam dela para se manterem ativos, conservar a homeostase e fazer com que os hormônios fiquem regulados. Além disso, reações químicas acontecem por causa da água, que ajuda ainda a transportar o oxigênio por meio do sangue.

QUAIS OS SINTOMAS DA DESIDRATAÇÃO?

Alguns sintomas da desidratação são mais evidentes, outros mais implícitos. Veja!

Boca seca

Sabe a sensação de que a boca não está produzindo saliva? Em casos de desidratação a produção é, realmente, mínima, o que pode causar desconforto na hora de falar, por exemplo. Além disso, a falta de saliva eleva o aparecimento de cáries.

Sonolência

A sonolência também pode acontecer, pois o organismo utiliza a água “emprestada” pelo sangue, o que faz diminuir a oxigenação. A consequência é a sensação de moleza e fadiga.

Sede

Nosso corpo é inteligente e busca meios para sobreviver. Um deles é o de passar uma mensagem ao cérebro de que está faltando água para ele trabalhar bem. A mente “transforma” esse aviso em sede para que saibamos quando ingerir líquidos.

Diminuição da produção de urina

Urina em pouca quantidade, ou mesmo em cor escura, significa que não estamos tomando água suficiente. Isso é importante, pois são os rins que filtram as impurezas do corpo.

Pele ressecada

Normalmente isso acontece depois de alguns dias em que a pessoa está bebendo pouca água. A pele começa a apresentar sinais de ressecamento, ficando com um aspecto sem vida. Vale destacar que os cremes corporais podem ser utilizados nesse caso, mas a maior hidratação deve vir de dentro para fora.

Dor nas articulações

Dores em locais como as dobras do joelho ou do cotovelo podem indicar sinais de desidratação. Essas partes precisam de lubrificação, que vem da água, para manterem os ossos e as cartilagens saudáveis.

EXISTEM FATORES DE RISCO NA DESIDRATAÇÃO?

Sim, e, em geral, eles se relacionam a pessoas que têm o organismo mais sensível para se recuperar ou combater disfunções. Ainda que ela seja prejudicial a todos, bebês, crianças, idosos e pessoas com condições crônicas (como o diabetes) tendem a ser mais afetados.

Assim, evite que os sintomas da desidratação fiquem intensos e não se esqueça de beber muita água. A recomendação é de aproximadamente 2 litros para um adulto, mas isso pode variar de acordo com o peso, altura e outras necessidades. Lembre-se que prevenir é sempre o melhor remédio!









© Centro Clínico Sobradinho • Todos os direitos reservados